4 factos curiosos sobre o sangue menstrual

Quantas vezes já sussurraste para uma amiga: “Tens um penso? Veio-me o período…” ou então, ao sentir que precisas de mudar o penso ou o tampão, o retiras da tua mala com a perícia de um carteirista, apenas para que ninguém repare?

Já sei o que estão a pensar: lá está outra vez a menstruação-freak a falar 😉

De cada vez que falo com adolescentes sobre o período menstrual, vem-me à memória uma história, aparentemente insignificante, que se passou comigo quando eu própria era adolescente.

É curioso constatar que, nos dias de hoje, eu iria certamente brincar com a situação, mas a verdade é que já passaram mais de vinte anos e eu nunca mais esqueci.

1995: estava numa viagem de estudo no segundo ano da faculdade. A camioneta parou para jantarmos num restaurante self service.

Na altura de pagar, no meio de uma fila interminável de alunos, em vez de tirar o porta moedas da mochila, saquei de um penso higiénico! Ainda me lembro da embalagem: amarela com triângulos rosa-choque. O cúmulo da discrição, portanto.

Corada até às orelhas, guardei o penso com a maior rapidez, espreitando pelo canto do olho para confirmar se algum dos meus colegas tinha reparado.

Não me recordo se alguém viu, riu ou comentou. Mas lembro-me bem da vergonha que senti por, num gesto que durou apenas alguns segundos, ter deixado escapar “aos quatro ventos” que estava com o período.

Aos 18 anos, com as hormonas num rebuliço, estar menstruada não era propriamente algo para se publicar na capa da Bravo. Muito pelo contrário.

Desde então, tenho reflectido bastante sobre o facto de nos sentirmos envergonhadas de cada vez que menstruamos. Quantas vezes já sussurraste para uma amiga: “Tens um penso? Veio-me o período…” ou então, ao sentir que precisas de mudar o penso ou o tampão, o retiras da tua mala com a perícia de um carteirista, apenas para que ninguém repare?

Em tom de brincadeira, digo muitas vezes para a minha filha que vou fazer o mesmo que esta mãe, quando lhe vier o período pela primeira vez. Bem… podes ter uma ideia do que acontece a seguir 😁

Como falámos anteriormente, a menstruação é caracterizada por uma limpeza das paredes internas do útero, preparando-o para a sua reconstrução ao longo das restantes fases do ciclo menstrual. A constituição do sangue menstrual varia de mulher para mulher, da sua idade, de um ciclo para o outro e, naturalmente, do dia do período em que se encontra.

Apesar da Mulher menstruar desde os primórdios da História, o que é certo é que muito pouco se conhece sobre o sangue que compõe o célebre período, a “Chica”, o a “tia”, ou “Sr. P.”… 😉

Em seguida apresento-te 4 factos curiosos sobre o sangue menstrual que talvez desconheças:

1. O sangue menstrual não é apenas sangue.

Aliás, a sua composição é bastante rica. No sangue menstrual encontramos, para além de sangue (cerca de 50%) água, tecidos de revestimento do endométrio, vestígios de muco cervical e bactérias que formam a flora vaginal. Dos nutrientes que o compõem destacamos o ferro, sódio, azoto, potássio, cálcio, fósforo e diversas proteínas. O seu grau de acidez é muito semelhante ao sangue que circula no nosso organismo: 7.2.

2. É um óptimo fertilizante: contém três nutrientes importantes para as plantas: o nitrogénio (azoto), o potássio e o fósforo.

Embora o número de mulheres que o fazem esteja a crescer de dia para dia (com resultados surpreendentes!) não estou a sugerir-te que regues as plantas da tua horta com sangue menstrual 🙂

Mas, já agora, se estiveres a pensar experimentar, deixo-te a receita: 1 parte de sangue para 9 partes de água 😉

3. É muito rico em células estaminais.

Parece incrível, mas é verdade. Fala-se tanto da criação de embriões para aproveitamento das células estaminais ou mesmo sobre os inconvenientes na recolha do sangue do cordão umbilical (uma vez que o processo implica o seu clampeamento precoce) quando, existe uma fonte de impressionante à nossa disposição e cuja obtenção se faz de uma forma não invasiva e a utilização não levanta questões de bioética.

Até ao momento, está provada a capacidade das células do sangue menstrual (MenSCs) se transformarem em células ósseas, da cartilagem, cardíacas, neurológicas, hepáticas e pancreáticas, bem como foi verificada a sua eficácia no tratamento de lesões e doenças de pele.

4. A quantidade de sangue que perdes durante um período é, no máximo, de 4 colheres de sopa. (60 ml)

Ao contrário do que pode parecer, a avaliar pela quantidade de vezes que despejas o copo menstrual, ou o número de pensos ou tampões que são gastos por ciclo. Naturalmente que estamos a falar de uma situação normal, em que não hajam patologias que se reflictam no volume do sangue menstrual.

Assim, da próxima vez que o “SR. P.” te fizer uma visita, faz-lhe uma vénia, se faz favor 😉

A informação que consta no presente artigo do blog, é destinada apenas para fins educacionais e nunca substitui o diagnóstico médico.

Share on facebook
Partilha no Facebook
Share on twitter
Partilha no Twitter
Share on linkedin
Partilha no LinkedIn
Share on whatsapp
Partilha no WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.