“O meu período atrasou!”

Neste artigo vais conhecer os factores que condicionam a duração dos teus ciclos menstruais, para que nunca "andes à deriva".

Quantas vezes ouvimos esta preocupação? Quantas vezes nós próprias nos perguntámos esta mesma questão?
Sabemos que o período está previsto para surgir a determinada altura e, se isso não se verifica, soa o alarme na nossa cabeça 🙂

O ciclo menstrual, ou ciclo fértil, é constituído por quatro fases: menstruação, fase folicular, ovulação e fase lútea (no ebook ‘Como prevenir uma gravidez naturalmente‘  as quatro fases são abordadas individualmente).

Cada uma das quatro fases tem características próprias, nomeadamente a sua duração:

  • a menstruação dura entre 3 a 8 dias;
  • a fase folicular tem uma duração que varia de mulher para mulher e de ciclo para ciclo;
  • a ovulação, propriamente dita, tem uma duração de cerca de 18/24horas;
  • a fase lútea dura entre 12 e 16 dias.

Como facilmente se percebe, a fase folicularque é a altura do ciclo em que os folículos crescem e amadurecem para dar origem à ovulação – é a que é caracterizada por uma duração mais variável, se compararmos com as restantes fases.

O que acontece no teu corpo durante a fase folicular?

Lembras-te dos soldados romanos dos livros do Asterix e Obelix? Que avançavam em conjunto, de forma perfeitamente sincronizada?

Pois bem, nesta fase do ciclo, os teus ovários estão a trabalhar de forma contínua para que um dos folículos amadureça o suficiente para poder libertar um óvulo. Mesmo sabendo que não vão ter o mesmo final feliz, os restantes folículos não abrandam o ritmo do trabalho de equipa.

Este é um processo que, normalmente, durará cerca de duas semanas. Mas nem sempre é assim.

Imagina um avião prestes a levantar voo. Está na pista de descolagem, com os motores ligados, passageiros sentados a aguardar a luz verde para partir. Começa a avançar suavemente pela pista e… pára. “Senhores passageiros, vamos esperar um pouco, pois estamos com problemas técnicos”. Passado algum tempo, o avião recomeça a tentativa de descolagem e… de novo é forçado a parar. Finalmente, quando estão reunidas todas as condições que garantam um voo bem sucedido, ele levanta voo.

O que é que isto tem a ver com o teu ciclo menstrual? Tem tudo a ver.

O teu ciclo menstrual é um precioso indicador de saúde – aliás, foi declarado pelo American College of  Obstetricians and Gynecologists como sendo um sinal vital, tão importante como a respiração ou a pressão arterial.

No entanto,  o teu organismo é um sistema complexo onde muitas operações funcionam em simultâneo e em que a manutenção da tua sobrevivência é a prioridade. Isto quer dizer que, se a tua vida estiver em perigo (ou, vá, estiver ligeiramente ameaçada) alguns sistemas vão “passar para o banco de trás do carro”.

Agora aposto que estás a rebolar os olhos e a pensar “Mas isto aplica-se a mim, que tenho uma vidinha tão normal?” Sim.

A espécie humana já anda pelo planeta Terra há algum tempo e, algures no nosso código genético, temos informação preciosa de como sobreviver nas condições mais desfavoráveis. Se estás cá, é porque provavelmente alguma antepassado teu foi da equipa dos que corriam como se não houvesse amanhã de cada vez que um predador se aproximava para o almoçar.Ora bem, esse mecanismo de resposta do nosso organismo a situações de stress – e que muitas vezes nos salvou (e ainda salva) a vida – no dia a dia não é o nosso melhor aliado.

Stress é stress. Ponto final. Stress mental ou stress físico, ambos desencadeiam a segregação de adrenalina e cortisol que, por sua vez, inibem a segregação das hormonas sexuais, estrogénio e progesterona, comprometendo o funcionamento do teu ciclo menstrual.

A quantidade ou tipo de stress com capacidade de desestabilizar o ciclo depende de cada uma de nós.

Vou dar-te um exemplo pessoal:

No fim de semana passado, eu estava à espera da subida sustentada de temperatura, que indicaria que estaria a ovular, mas isso não aconteceu. Quem já me conhece sabe que tenho quatro filhos em idade escolar e, por coincidência, quatro dos espectáculos/audições de fim de ano lectivo aconteceram entre sexta e segunda-feira. Ora, entre preparar figurinos, maquilhagem, lanches, almoços e jantares para os artistas, comprar bilhetes, levar e trazer de/para os ensaios, gerir nervos e inseguranças de última hora… o meu organismo achou que talvez não fosse e melhor altura para ovular. E assim foi. Na terça feira de manhã, tive a primeira temperatura elevada.  A partir daí eu sei que tenho uns 12 dias até surgir a menstruação.

Conclusão: a tua fase folicular pode ter uma duração muito variável, contrariamente à fase lútea. Questões pessoais como por exemplo uma doença ou stress podem adiar a altura em que ovulas e, por tanto, prolongar o teu ciclo.

É a ovulação que se atrasa e não a menstruação.

Se acompanhas o teu ciclo, através de um registo regular da tua temperatura basal e muco cervical, tu sabes quando é que estás a ovular e, como consequência, quando está previsto menstruares.

Sem stress desnecessário e sem gastares dinheiro em testes de gravidez.

A informação que consta no presente artigo do blog, é destinada apenas para fins educacionais e nunca substitui o diagnóstico médico.

Share on facebook
Partilha no Facebook
Share on twitter
Partilha no Twitter
Share on linkedin
Partilha no LinkedIn
Share on whatsapp
Partilha no WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.