Testes de ovulação: sim ou não?

Há uns anos atrás eu não recomendava a utilização de testes de ovulação. Hoje em dia considero que podem ser um bom aliado da monitorização do ciclo, desde que a sua utilização seja feita de uma forma criteriosa. Curiosa para saber mais?

Eu confesso que há uns anos atrás, por algumas das razões que explico em seguida, eu não recomendava a utilização de testes de ovulação. Hoje em dia considero que podem ser um bom aliado da monitorização do ciclo, desde que a sua utilização seja feita de uma forma criteriosa. Curiosa para saber mais?


Como funcionam os testes de ovulação?

Estes testes funcionam através de uma recolha de urina, a qual deteta a presença de uma hormona que te dá a informação da eventual proximidade da ovulação. O resultado pode vir sob a forma de risquinhas, carinhas sorridentes 🙂 ou mesmo um valor numérico, como acontece com os testes mais modernos (e caros).

A hormona detetada nos testes de ovulação é a LH (hormona luteinizante) que é segregada pela hipófise (ou glândula pituitária) e é responsável pelo desencadear deste incrível processo. Em tom de brincadeira, eu chamo-a de “hormona alfinete” pois, num ciclo ovulatório, ela surge a pique, “rompe” o(s) folículo(s) mais jeitosinho(s) do pedaço e vai à sua vidinha.

Para teres uma noção, esta hormona começa a subir 28-48 horas da ovulação e tem o seu pico cerca de 12 horas antes da ruptura do folículo ovárico.

Se o teu objetivo é engravidar, podes usar este tipo de teste para teres uma previsão da chegada da ovulação. Se, paralelamente, estiveres atenta ao teu muco cervical e/ou cervix, terás mais hipóteses de ter um teste positivo. Lembra-te que os dias mais férteis são os que antecedem a ovulação e não tanto o dia O em si.

Mas…

Num mundo perfeito, com ciclos perfeitos, a hormona LH surge como descrevi anteriormente: aparece, desencadeia a ovulação e adeusinho. No entanto, a ovulação é o culminar de um processo de amadurecimento folicular que se inicia na menstruação.

Como bem sabes, existem diversos fatores que podem atrasar este fenómeno, como uma doença, stress (físico, emocional, mental…), mudanças no estilo de vida, etc.
Neste caso, um teste de ovulação pode não ser uma grande ajuda.

Por outro lado, existem alguns desafios relacionados com a saúde menstrual, como a Síndrome dos Ovários Poliquísticos ou a aproximação da menopausa, em que os níveis de LH estão quase sempre elevados, e, por essa razão, podem dar origem a um falso positivo.

Testes de ovulação, como utilizar?

Como o objetivo é detetares o início do pico de LH que antecede a ovulação, pode ser boa ideia começares a testar logo quando sentires que estás com muco elástico (o aumento de estrogénio – muco elástico – ativa a segregação de LH). Neste caso, sugiro que uses os testes de tiras pois além de serem mais baratos, consegues ir detectando a concentração da LH através da gradação de cor.

Outro aspeto importante a ter em atenção é a melhor hora para testar: a hormona LH é segregada pela hipófise nas primeiras horas da manhã e demora algumas horas a ser detetada na urina. Por essa razão não é boa ideia testar com a primeira urina da manhã (como acontece com os testes de gravidez) mas sim por volta do meio dia.

Quando tiveres o teu positivo, eu sugiro que continues a testar diariamente até obteres um negativo, isto é, que a linha se torne bastante ténue (ou desapareça) e, caso a temperatura basal não te dê a informação de que a ovulação aconteceu, então, voltes a testar. Pode acontecer que a ovulação não se dê como um processo contínuo e, por alguma razão, haver mais do que uma “tentativa de ovulação”.

Em conclusão:

  • Os testes de ovulação podem ser uma excelente ferramenta como o complemento do estudo dos teus ciclos menstruais, segundo um método de fertilidade natural.
  • Não vale a pena gastares uma fortuna com testes caros, pois os mais baratos, vendidos em caixas de dezenas, servem perfeitamente para o objetivo em questão.
  • Dependendo da duração média dos teus ciclos, sugiro começares a testar cerca de uma semana antes do dia em que normalmente se dá a primeira temperatura elevada e, após observares o positivo, pára apenas quando tiveres um negativo (confirmado pela interpretação da temperatura).
  • A melhor hora para testares a presença da hormona LH na urina é a meio do dia.

Diz-me, costumas usar testes de ovulação? Qual é a tua experiencia?


A informação, que consta no presente artigo do blog, é destinada apenas para fins educacionais e nunca substitui o diagnóstico médico.

Share on facebook
Partilha no Facebook
Share on twitter
Partilha no Twitter
Share on linkedin
Partilha no LinkedIn
Share on whatsapp
Partilha no WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.